A COMUNIDADE A SERVIÇO DA EDUCAÇÃO


segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Cinema Nosso abre inscrições para os Cursos Regulares de 2011



A Escola de Audiovisual Cinema Nosso está com as inscrições abertas para 150 vagas distribuídas entre seis cursos de cinema. Os cursos, destinados à jovens entre 15 e 20 anos de idade, terão duração de quatro meses e irão do dia 4 de abril até o dia 29 de julho.

As inscrições devem ser realizadas pelo telefone 2505.3300 e estarão abertas até o dia 28 de março de 2011.

Os candidatos serão selecionados através de uma entrevista sócio-pedagógica com a coordenadora Mirian Machado.


Veja abaixo os horários de cada curso.

1. Cinema Básico I (Segundas e Quartas, de 14h às 17h)

2. Cinema Básico II (Segundas e Quartas, de 09h às 12h)

3. Cinema Intermediário (Terças e Quintas, de 14h às 17h)

4. Cinema Avançado (Terças e Quintas, de 09h às 12h)

5. Cinema de Animação (Quartas e Sextas, de 09h às 12h)

6. Motion Design (Terças e Quintas, de 14h às 17h)

Os cursos de Cinema Básico I, Básico II, Intermediário e Avançado, nos seus diferentes níveis, abordarão noções de quadro, plano, tomada, cena, sequência, tempo e ritmo.

Além disso irá falar sobre a História do Cinema, trabalhar operação e  movimentação da câmera e fundamentos de roteiro. Além de ficção e documentário, idéia, argumento, sinopse, entrevistas e depoimentos.

O curso regular de Cinema de Animação circunda a questão "o que é a persistência ótica?"  desenvolverá a construção de brinquedos óticos, abordará a História do Cinema de Animação e esclarecerá seus fundamentos (roteiro, storyboard, criação de cenários e personagens, animação, montagem e finalização).

Por fim, o curso de Motion Design trabalhará o tratamento artístico e criativo das imagens, fundamentando-as na História da Arte e esclarecendo o processo através de softwares como: Photoshop, Illustrator e Art Effect.

Garanta logo a sua vaga.
Em caso de dúvidas, escreva para mariana@cinemanosso.org.br

Cinema Itinerante na Cidade de Deus

O Projeto Cinema Itinerante, do Cine Tela Brasil, estará de volta à Cidade de Deus, nos dias 3,4 e 5 de fevereiro. Serão exibidas quatro sessões diárias com destaque para os filmes “As Melhores Coisas Do Mundo”, “ Se Eu Fosse Você 2” E 5x Favela”.

O Cine Tela Brasil foi iniciado há 5 anos e ultrapassa a marca dos 750 mil expectadores. O projeto vai de cidade em cidade levando cinema de graça para a população que não tem acesso às salas convencionais. A sala do cinema itinerante tem conforto e padrão de shoppings centers: conta com 225 lugares, ar condicionado, projeção cinemascope 35mm, som estéreo surround com leitor laser, tela de 21m2.

O cinema estará na Rua Zózimo do Amaral, alt 275 (ao lado da Quadra do Jd. do Amanhã). 
Confira a programação abaixo:

Quinta – 03/02
14h30 – O Grilo Feliz e os Insetos Gigantes
16hs – Se Eu Fosse Você 2
18hs – O Menino da Porteira
20hs – As Melhores Coisas do Mundo

Sexta – 04/02
14h30 – Pequenas Histórias
16hs – Se Eu Fosse Você 2
18hs – As Melhores Coisas do Mundo
20hs – 5x Favela

Sábado – 05/02
14h30 – O Grilo Feliz e os Insetos Gigantes
16hs – O Menino da Porteira
18hs – 5x Favela
20hs – As Melhores Coisas do Mundo


Cozinha Brasil chega ao BE Vila Cruzeiro

O Bairro Educador Vila Cruzeiro em parceria com o Projeto Cozinha Brasil do SESI realizará nos dias 09, 10 e 11, na E. M. Joracy Camargo e nos dias 14, 15 e 16 de fevereiro no Centro de Desenvolvimento Humano Atitude Social (antigo Espaço IBIS) o curso de Educação Alimentar. Este visa ensinar a preparar refeições de baixo custo, aproveitando ao máximo o sabor e os nutrientes dos alimentos. O curso é destinado a toda comunidade. 

O SESI Cozinha Brasil tem como objetivo levar à população orientações sobre uma alimentação nutritiva e de baixo custo, respeitando as diferenças regionais. O programa oferece cursos de Educação Alimentar destinado àqueles que têm interesse em aprender a aproveitar melhor os alimentos e mudar os hábitos de vida de toda a família. 
Os participantes com 100% de freqüência receberão certificado e um livro de receitas. 

Com esta parceria pretendemos ampliar a integração entre a escola e a comunidade e aprimorar a educação alimentar que poderá gerar impactos na melhoria do aprendizado.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Clínica do Vôlei no CIEP Luiz Carlos Prestes

No dia 25 de janeiro, 61 crianças das escolas da Cidade de Deus participaram de uma Clínica de Vôlei, realizada no CIEP Luiz Carlos Prestes. Esta ação foi realizada a partir da articulação entre a gerência da nova agência do Banco do Brasil na Cidade de Deus, a Associação Semente da Vida e o Bairro Educador, que esteve representado pela gestora de projeto local, Maria do Socorro.


A medalhista Sandra Pires esteve presente, autografou camisetas e junto com o monitor do Viva Vôlei, ensinou às crianças os primeiros passos para a prática do esporte. Sandra Pires ainda conversou com os meninos sobre as Olimpíadas e seus esportes, sobre aqueles praticados em comunidades e ressaltou a importância do estudo na formação e na vida de um esportista. 


A equipe trouxe bolas, redes, lanche e água para as crianças e ao final da atividade foram sorteadas 10 bolas para os participantes, encantados com a descoberta deste "novo" esporte. A diretora do CIEP, Maria Marta, ficou interessada pela possibilidade de que incentivos como este se tornem projetos contínuos em escolas e em comunidades. 

O aluno Lucas Cruz, de 11 anos, comentou sobre a ação: "Que legal! Eu só via na televisão, hoje eu aprendi como se faz um saque e ainda vou treinar na minha rua, porque ganhei uma bola."

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Borel recebe primeira sirene de alerta contra deslizamentos do Rio de Janeiro


O Prefeito do Rio, Eduardo Paes, inaugurou no Morro do Borel a primeira Sirene de Alerta contra deslizamentos, na última sexta feira, dia 21 de janeiro. O alerta servirá de auxílio para a população local em situações de perigo ocasionadas por chuvas de grande intensidade. Os agentes comunitários do Borel foram treinados para conduzir os moradores a locais seguros nas ocasiões em que o alerta for acionado. Os equipamentos vão funcionar nos locais apontados pelo mapeamento desenvolvido pela Geo-Rio, que identificou pontos com alto risco de deslizamento em 117 comunidades. 
Acompanhado pelo subsecretário de Defesa Civil do Município, o Coronel Sérgio Simões, pela Secretária Municipal de Educação, Claudia Costin, e pelo Secretário Municipal de Habitação, Jorge Bittar, o prefeito deu instruções aos agentes da Defesa Civil que vão orientar a comunidade, e testou a sirene, ressaltando sua importância. "Eu diria que o alarme representa a ponta de todo um sistema montado pela prefeitura. Durante todo o ano de 2010 a Geo-Rio realizou mapeamento de risco geotécnico em todas as comunidades da cidade. Além disso, contamos com um centro de operações moderno, com equipamentos de última geração. Precisamos que todos entendam que, ao ouvir o alarme tocar, é necessário que obedeçam as orientações, mesmo que o deslizamento não ocorra. Nosso objetivo é salvar vidas e esperamos que as pessoas acreditem no nosso trabalho. Trata-se de uma primeira experiência, que será aprimorada ainda mais." Disse o prefeito, pedindo a colaboração da população. 
O Centro de Operações Rio será responsável por monitorar as condições climáticas e o índice pluviométrico de cada região. A partir de determinado índice, o Centro vai acionar a sirene diretamente de sua sede. Vale destacar que o acionamento da sirene será a última instância da operação, um aviso para que as pessoas deixem suas casas e se dirijam para um lugar seguro. No caso do Borel, as famílias serão encaminhadas ao Ciep Antoine Magarinos Torres Filho (escola elencada pela Secretaria Municipal de Educação como participante do Projeto Bairro Educador), situado na Rua São Miguel s/n, próxima a um dos acessos à comunidade.

A prefeitura do Rio capacitou 1.875 agentes de Saúde e Defesa Civil e 300 líderes comunitários para atuar nas primeiras ações em situações de chuvas, alagamentos, deslizamentos de encosta e risco de desabamento no Borel. Para isso, todos estão munidos de aparelhos celulares, cedidos pela prefeitura, que receberão SMS (torpedos) com alertas em caso de ocorrência de chuvas. Além das mensagens de texto, os agentes serão auxiliados pelo toque do alarme e por mensagens pré-gravadas. Além disso, os moradores das áreas onde os equipamentos serão instalados receberão material educativo (encaminhado com a diretora Lenita Vilela a ser distribuído na primeira reunião de responsáveis que acontecerá no dia 04/02 com aproximadamente 100 pais) para orientá-los a deixar suas casas e familiarizá-los quanto ao funcionamento do sistema.
Prefeito Eduardo Paes, Secretária de Educação Claudia Costin, Lenita Villela, diretora do CIEP Antoine Magarinos Torres Filho e  a assessora da coordenadora geral da 2ª CRE, Maria Lúcia Mosqueira

O prefeito Eduardo Paes afirmou que espera, em dois ou três meses, que todos os pontos de risco da comunidade estejam equipados com as sirenes. Além disso, ele também destacou os investimentos do Município em obras de contenção de encostas e no reassentamento de famílias. "Em paralelo a esse sistema, a prefeitura do Rio está fazendo obras. Aqui mesmo no Borel, há uma intervenção enorme da Geo-Rio. Sem falar no programa Morar Carioca. Já reassentamos esse ano 5.000 famílias em todo o Rio de Janeiro, estamos pagando Aluguel Social. Mas trata-se de um processo que não se faz da noite para o dia. Daí a necessidade de se ter um sistema de alerta ." Afirmou Eduardo Paes.
O subsecretário da Defesa Civil ressaltou que o alarme não será acionado apenas com a previsão de um grande temporal, uma vez que o equipamento funcionará a partir dos índices do pluviômetro juntamente com a previsão. Os pontos de apoio para que as demais comunidades da cidade recebam o sistema de alerta está em fase de estudo. Mas os presidentes das comunidades já receberam treinamento, aplicado há cerca de três semanas, quando o levantamento das áreas de alto risco ficou pronto.
Estiveram presentes ao evento, a Secretária Municipal de Educação, Claudia Costin, a assessora da coordenadora geral da 2ª CRE, Maria Lúcia Mosqueira, o Tenente Eduardo da UPP local, Jovino Neto da ONG JOCUM, Jonas Gonçalves do Grupo de Articulação Local do Borel e do Centro de Cidadania da Unidos da Tijuca, Nelson Aguiar da Região Administrativa e Gustavo Trotta, da Subprefeitura da Tijuca.

Apresentação do BE Manguinhos na 4ª CRE

Na manhã da sexta-feira (07/01) foi realizada uma reunião para apresentação do projeto Bairro Educador Manguinhos às diretoras da E.M. Professora Maria de Cerqueira e Silva, E.M. Josué de Castro, do CIEP Juscelino Kubitschek, das Creches Municipais Manguinhos e Chico Bento e do EDI Dr. Domingos Arthur Machado Filho. Apenas a E.M. Teotônio Vilela não esteve representada.

O encontro foi articulado pela equipe da 4ª CRE, que além de convidar as representantes das escolas acima citadas, também convocou as diretoras das escolas do Bairro Educador Maré.

A Gestora de Núcleo Mary Lança apresentou brevemente o projeto e, para poder ilustrar as ações do mesmo, mostrou um vídeo com um resumo das atividades realizadas na Maré. Houve um momento para esclarecimento de dúvidas.

A Gestora de Núcleo Mary Lança apresentando o projeto
Ao final da reunião, que durou cerca de duas horas, as Gestoras de Projeto Guaraciara Gonçalves (de Manguinhos) e Tatiana Neves (da Maré) agendaram visitas às escolas de seus respectivos Bairros.

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Campanha de doações para a Região Serrana

A Região Serrana do Rio de Janeiro voltou a sofrer com as chuvas que caíram no final de semana que deixou muitas vitimas.  Os moradores perderam moradia e precisarão recomeçar do zero.
Pensando nisso, o Bairro Educador está empenhado na arrecadação de material que possa ajudar aqueles que hoje se encontram em difícil situação.
As escolas também foram afetadas e precisam estar prontas para receber bem os estudantes que retornarão no próximo mês. Assim podemos contribuir para um Estado/Cidade Educadora.
As doações podem ser encaminhadas à sede do Bairro Educador/ CIEDS na Av General Justo, 275, Bloco B, 9º andar, Sala 905.

Quem preferir pode entrar em contato pelos telefones
21-2544-4516 – Vander Castro e Daniele Fernandes
21-7809-6923 – Bruno Lopes
21-7809-7235 – Marcia Florencio

Neste momento é grande a necessidade de:

Material Infantil
Livros
Contadores de histórias
Lápis de Cor
Canetas Coloridas
Papeis
Revistas
Cola Colorida
Cartolina
Tinta Guache


Material de limpeza pesada
Cloro
Desinfetante
Detergente
Bombril
Pano de Chão
Esponja
Vassoura
Baldes
Sacos de lixo
Rodo
Sabão em Pó


Material de Higiene Pessoal
Pasta de Dente
Escova de Dente
Absorventes
Cotonetes
Esparadrapo
Fraldas descartáveis

gase
soro
luvas
sabonetes

 
Devido à dificuldade, em certos pontos das cidades, só é possível ser feito com pequenos carros (Pickup) com tração nas quatro rodas para levar socorro aonde os caminhões não chegam. Portanto, quem puder emprestar ou conhecer quem possua esses veículos ajudará bastante, se apresentando aos pontos de distribuição

Abaixo segue alguns postos de doação espalhados pelo Rio de Janeiro

Polícia Militar

Todos os batalhões da PM do Rio de Janeiro vão receber doações  a partir desta quinta-feira (13). Os comandantes dos batalhões recomendam a doação de água mineral, alimentos não perecíveis e materiais de higiene pessoal.

Cruz Vermelha
A Cruz Vermelha está cadastrando voluntários para ajudar na triagem do material arrecadado para vítimas das chuvas na Região Serrana. Quem quiser colaborar deve procurar a sede da entidade no Rio, na Praça da Cruz Vermelha 10, no Centro.
Inea
A sede do Instituto Estadual do Ambiente recebe doações de alimentos não perecíveis, colchonete, material de higiene e limpeza, sobretudo fraldas, e principalmente água. O endereço é Av. Venezuela, 110, Praça Mauá - centro do Rio.
Estações do metrô
O Metrô Rio vai disponibilizar a  partir de sexta-feira (14),  pontos de arrecadação em 11 estações nas linhas 1 e 2. Água, alimentos e produtos de higiene pessoal podem ser doados nas estações Carioca, Central, Largo do Machado, Catete, Glória, Ipanema/General Osório, Pavuna, Saens Peña, Botafogo, Nova América/Del Castilho e Siqueira Campos.

Barcas
A concessionária Barcas S.A., com o apoio da Cruz Vermelha, está recolhendo material para ajudar as vítimas das chuvas Região Serrana, como água potável, alimentos não perecíveis, produtos de limpeza e de higiene pessoal, colchonetes. As doações podem ser feitas até dia 31 de janeiro nas estações.
Praça XV - Praça XV, 21, Centro do Rio
Araribóia - Praça Araribóia, números 6 e 8, Centro, Niterói
Charitas - Avenida Quintino Bocaiúva, s/nº, Charitas, Niterói
Cocotá - Parque Manoel Bandeira, s/nº, Cocotá, Ilha do Governador
Paquetá - Praça Pintor Pedro Bruno, nº 1, Ilha de Paquetá

SuperVia
Itens como alimentos não perecíveis, material de higiene, roupas, dentre outros, podem ser entregues no Balcão de Informações da estação Central do Brasil, que funciona nos dias úteis, das 7h às 17h. O material arrecadado será entregue a ONG Viva Rio que fará a devida distribuição.

Shoppings também vão receber donativos
Bangu Shopping - Rua Fonseca, 240 - Bangu. Tel.: 2430-5130.
Carioca Shopping - Av. Vicente de Carvalho, 909 - Vila da Penha. Tel.: 2430-5120.
Caxias Shopping - Rodovia Washington Luiz, 2895, Duque de Caxias. Tel: 2430-5110
Passeio Shopping - Rua Viúva Dantas 100 - Campo Grande. Tel.: 2414-0003.
Santa Cruz Shopping - Rua Felipe Cardoso 540 - Santa Cruz. Tel.: 2418-9400.
Shopping Grande Rio - Rodovia Presidente Dutra, 4.200 - São João de Meriti. Tel.: 2430-5111
Via Parque Shopping - Av. Ayrton Senna, 3.000 - Barra da Tijuca. Tel.: 2430-5100.
Shopping Leblon - Av. Afrânio de Melo Franco, 290 - Leblon. Tel.: 2430-5122.BoulevardShopping São Gonçalo - doações  no 1o andar do estabelecimento.
Center Shopping Rio - Avenida Geremário Dantas, 404 – Jacarepaguá
Fashion Mall - Estrada da Gávea, 899 - São Conrado.
Ilha Plaza - Av. Maestro Paulo e Silva, 400  -  Ilha do Governador
NorteShopping - Av. Dom Hélder Câmara, 5474  - Cachambi
Plaza Shopping - Rua XV de Novembro, 8 - Centro, Niterói.
Rio Plaza Shopping - Rua General Severiano, 97  - Botafogo
Recreio Shopping - Av. das Américas, 19.019 - Recreio dos Bandeirantes
Shopping Tijuca - Av. Maracanã, 987 – Tijuca
West Shopping - Estrada do Mendanha, 555 - Campo Grande

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Apresentação do BE Macaco na 2ª CRE

Na manhã desta sexta-feira (14/01) o Gestor de Núcleo Roberto Lobo e o Gestor de Projeto Thiago Sobral visitaram a 2º CRE, na Lagoa, para apresentação oficial do Projeto Bairro Educador para as diretoras das escolas do Macaco. 

Maria Lúcia  ( 2ª CRE),  Isabel Azevedo ( E.M. Jornalista Assis Chateaubriand)

O encontro, que foi articulado pela Coordenadora Adjunta da 2ªCRE, Maria Lúcia Mosqueira, aconteceu no auditório da 2ª CRE e transcorreu com tranquilidade.  A coordenadora fez um breve resumo do projeto com base nas avaliações feitas pelas escolas do BE Borel.  Durante a apresentação ela mencionou que todas as diretoras elogiaram o projeto em seus relatórios.

Thiago Sobral (Gestor de Projeto),  Isabel Azevedo,  Solange Mendonça (CIEP Pres. Salvador Allende), Janete Andrade (E.M. Noel Rosa) e Cláudia Amorin (E.M. Mário de Andrade)

Ao final da reunião, que durou duas horas, pode-se perceber que as diretoras entenderam o conceito do projeto e manifestaram interesse nas ações educativas que foram desenvolvidas pela equipe do Bairro Educador para seu território.




No Borel tem alimento para o corpo e para a educação!

Na escola pública, a promoção de hábitos alimentares saudáveis e um currículo saboroso...

Durante todas as quartas-feiras do ano de 2010, de 12h30 às 16h30, o Projeto Mais Educação promovia oficina de horta no CIEP Antoine Mararinos Torres Filho (BE Borel). Segundo o professor Márcio Perisse, responsável pela atividade na escola a oficina ajuda a criar hábitos alimentares saudáveis.
 "Muitos dos alunos quando iniciaram no projeto não gostavam de hortaliças e verduras. Mas desde que começaram a perceber a importância destes alimentos para o seu crescimento, mudaram seus hábitos alimentares." 

Ao ingressarem na atividade, os estudantes participam de todo o processo relacionado à oficina: da escolha do local para a instalação da horta, até o processo de sua feitura: adubo do solo, semeadura e plantio. No resultado final, e em uma das partes mais alegres, a colheita das saborosas plantinhas que os próprios ajudaram a nascer. Neste processo, os estudantes começam a se sentir parte do espaço escolar e, principalmente, entender o processo natural de vida dos vegetais e os efeitos que podem causar à saúde humana. Eles reconhecem espontaneamente a necessidade de ingerir uma quantidade diária do alimento, suficiente para um crescimento sadio. 
O desdobramento pedagógico (descritores) desta atividade, contribui para deixar o currículo saboroso e com um gosto especial de quero mais. Segue, para serviço e uso geral, como é integrada esta atividade com o ambiente da sala de aula:
Em Ciências, foi trabalhado o crescimento das plantas, germinação, a influência do sol, fotossíntese, solo, uso da água, a cada visita à horta.
Em Português, foi trabalhada a escrita, considerando o observado a cada visita, além de ortografia, gramática e formas literárias.
Em Meio Ambiente, foi trabalho o uso dos agrotóxicos, tipo de solo, pragas e ação do homem no meio natural. 
Em Informática, foi direcionada a pesquisa sobre os legumes, verduras e hortaliças com o manuseio da internet e do computador.
Em Matemática, foram trabalhados quantidade, volume, peso, dimensão, espessura e vários outros.
Em Geografia, foram trabalhados clima, solo, ciclo da água e outros.
Em História, foram trabalhadas a origem das verduras, hortaliças e legumes em cada momento da sociedade. 

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Férias na Cidade das Crianças


Em janeiro de 2011 a Cidade das Crianças se transforma em uma grande Colônia de Férias. Do dia 12 de janeiro ao dia 05 de fevereiro, o parque recebe atividades lúdicas, esportivas, culturais, ecológicas, sala de jogos, recicloteca e escolinha de artes, direcionadas para crianças de 4 a 14 anos.

Relembramos e agradecemos a parceria da Cidade das Crianças em nossas ações.

Para mais informações: http://www.cidadedascriancas.org.br/

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Começou o curso de verão do Ensina! na Cidade de Deus

No dia 10/01/11, segunda-feira, a equipe do Bairro Educador esteve presente na E. M. Pedro Aleixo na Cidade de Deus para prestigiar o início do Curso de Verão do Projeto Ensina!
Os jovens inscritos no curso foram divididos em 8 grupos e para cada grupo foram destacados 4 ensinas que darão aulas nas disciplinas de língua portuguesa, matemática e ciências. No primeiro dia de aula estiveram presentes mais de 80 jovens.
O curso irá durar 3 semanas com aulas pela manhã e atividades esportivas e culturais à tarde. O encerramento será no dia 28/01 e os visitantes estão convidados a comparecer para acompanhar as aulas.
A equipe do Bairro Educador parabeniza toda a equipe do Ensina! pelo sucesso desta iniciativa.
Para mais informações sobre o Ensina!, acessar: http://www.ensina.org.br/


segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Quando a escola é de vidro

Gibiteca da E.M. Otelo de Souza Reis (BE Sta Cruz)
Alfabetização é o aprendizado e utilização do alfabeto como código de comunicação. É saber ler, compreender, interpretar, criticar e produzir informações.
O processo de alfabetização de um indivíduo promove sua socialização, já que possibilita o estabelecimento de novos tipos de trocas simbólicas com outros indivíduos, acesso a bens culturais e a facilidades oferecidas pelas instituições sociais.
O texto a seguir foi retirado do livro Este Admirável Mundo Louco, e é a imagem que o Bairro Educador quer levar às escolas durante o ano de 2011.



Quando a Escola é de Vidro 
Ruth Rocha


Naquele tempo eu até que achava natural que as coisas fossem daquele jeito. 
Eu nem desconfiava que existissem lugares muito diferentes...
Eu ia pra escola todos os dias de manhã e quando chegava, logo, logo, eu tinha que me meter no vidro.
É, no vidro!
Cada menino ou menina tinha um vidro e o vidro não dependia do tamanho de cada um, não! 
O vidro dependia da classe em que a gente estudava.
Se você estava no primeiro ano ganhava um vidro de um tamanho.
Se você fosse do segundo ano seu vidro era um pouquinho maior.
E assim, os vidros iam crescendo à medida  que você ia passando de ano. 
Se não passasse de ano era um horror.
Você tinha que usar o mesmo vidro do ano passado.
Coubesse ou não coubesse.
Aliás nunca ninguém se preocupou em saber se a gente cabia nos vidros.
E pra falar a verdade, ninguém cabia direito. 
Uns eram muito gordos, outros eram muito grandes, uns eram pequenos e ficavam afundados no vidro, nem assim era confortável.
Os muitos altos de repente se esticavam e as tampas dos vidros saltavam longe, às vezes até batiam no professor.
Ele ficava louco da vida e atarrachava a tampa com força, que era pra não sair mais.
A gente não escutava direito o que os professores diziam, os professores não entendiam o que a gente falava...
Degusta Alemão (BE Alemão)


As meninas ganhavam uns vidros menores que os meninos. 
Ninguém queria saber se elas estavam crescendo depressa, se não cabiam nos vidros, se respiravam direito...
A gente só podia respirar direito na hora do recreio ou na aula de Educação Física.
Mas aí a gente já estava desesperado de tanto ficar preso e começava a correr, a gritar, a bater uns nos outros. 
As meninas, coitadas, nem tiravam os vidros no recreio. E na aula de Educação Física elas ficavam atrapalhadas, não estavam acostumadas a ficarem livres, não tinham jeito nenhum para Educação Física.
Dizem, nem sei se é verdade, que muitas meninas usavam vidros até em casa. 
E alguns meninos também.
Estes eram os mais tristes de todos.
Nunca sabiam inventar brincadeiras, não davam risada à toa, uma tristeza!
Se a gente reclamava?
Alguns reclamavam.
E então os grandes diziam que sempre tinha sido assim; ia ser assim o resto da vida. 
Uma professora, que eu tinha, dizia que ela sempre tinha usado vidro, até pra dormir, por isso que ela tinha boa postura.
Uma vez um colega meu disse pra professora que existem lugares onde as escolas não usam vidro nenhum, e as crianças podem crescer à vontade. 
Então a professora respondeu que era mentira, que isso era conversa de comunistas. Ou até coisa pior...
Tinha menino que tinha até de sair da escola porque não havia jeito de se acomodar nos vidros. E tinha uns que mesmo quando saíam dos vidros ficavam do mesmo jeitinho, meio encolhidos, como se estivessem tão acostumados que até estranhavam sair dos vidros. 
Mas uma vez, veio para minha escola um menino, que parece que era favelado, carente, essas coisas que as pessoas dizem pra não dizer que é pobre.
Aí não tinha vidro pra botar esse menino.
Então os professores acharam que não fazia mal não, já que ele não pagava a escola mesmo... 
Então o Firuli, ele se chamava Firuli, começou a assistir às aulas sem estar dentro do vidro.
Dia da sensibilização ambiental (BE Paciência)
O engraçado é que o Firuli desenhava melhor que qualquer um, o Firuli respondia perguntas mais depressa que os outros, o Firuli era muito mais engraçado... 
E os professores não gostavam nada disso...
Afinal, o Firuli podia ser um mau exemplo pra nós...
E nós morríamos de inveja dele, que ficava no bem-bom, de perna esticada, quando queria ele espreguiçava, e até mesmo que gozava a cara da gente que vivia preso. 
Então um dia um menino da minha classe falou que também não ia entrar no vidro.
Dona Demência ficou furiosa, deu um croque nele e ele acabou tendo que se meter no vidro, como qualquer um.
Mas no dia seguinte duas meninas resolveram que não iam entrar no vidro também: 
- Se o Firuli pode, por que é que nós não podemos?
Mas Dona Demência não era sopa.
Deu um croque em cada uma, e lá se foram elas, cada uma pro seu vidro...
Já no outro dia a coisa tinha engrossado.
Já tinha oito meninos que não queriam saber de entrar nos vidros. 
Dona Demência perdeu a paciência e mandou chamar seu Hermenegildo que era o diretor lá da escola.
Seu Hermenegildo chegou muito desconfiado:
- Aposto que essa rebelião foi fomentada pelo Firuli. É um perigo esse tipo de gente aqui na escola. Um perigo! 
A gente não sabia o que é que queria dizer fomentada, mas entendeu muito bem que ele estava falando mal do Firuli.
E seu Hermenegildo não conversou mais. Começou a pegar os meninos um por um e enfiar à força dentro dos vidros. 
Mas nós estávamos loucos para sair também, e pra cada um que ele conseguia enfiar dentro do vidro, já tinha dois fora.
E todo mundo começou a correr do seu Hermenegildo, que era pra ele não pegar a gente, e na correria começamos a derrubar os vidros. 
E quebramos um vidro, depois quebramos outro e outro mais. Dona Demência já estava na janela gritando - SOCORRO! VÂNDALOS! BÁRBAROS!
(pra ela bárbaro era xingação). 
Aula de capoeira na Creche Municipal Raio de Sol (BE Borel)

Chamem os Bombeiros, o Exército da Salvação, a Polícia Feminina... 
Os professores das outras classes mandaram cada um, um aluno para ver o que estava acontecendo.
E quando os alunos voltaram e contaram a farra que estava na 6° série, todo mundo ficou assanhado e começou a sair dos vidros. 
Na pressa de sair começaram a esbarrar uns nos outros e os vidros começaram a cair e a quebrar.
Foi um custo botar ordem na escola, e o diretor achou melhor mandar todo mundo pra casa, que era pra pensar num castigo bem grande pro dia seguinte. 
Então eles descobriram que a maior parte dos vidros estava quebrada e que ia ficar muito caro comprar aquela vidraria tudo de novo.
Diante disso, seu Hermenegildo pensou um bocadinho, e começou a contar pra todo mundo que em outros lugares tinha umas escolas que não usavam vidro nem nada, e que dava bem certo, as crianças gostavam muito mais. E que,de agora em diante, ia ser assim: nada de vidro, cada um podia se esticar um bocadinho, não precisava ficar duro nem nada, e que a escola agora ia se chamar Escola Experimental. 
Dona Demência, que apesar do nome não era louca nem nada, ainda disse timidamente:
- Mas seu Hermenegildo, Escola Experimental não é bem isso...
Seu Hermenegildo não se perturbou:
- Não tem importância. Agente começa experimentando isso. Depois a gente experimenta outras coisas... 
E foi assim que na minha terra começaram a aparecer as Escolas Experimentais.
Depois aconteceram muitas coisas, que um dia eu ainda vou contar...